31/07/2017

40% das crianças de até 14 anos estão em situação de pobreza no Brasil, mostra estudo


País da COPA 2014 e OLIMPÍADAS 2016
🏊🏃⚽🎾🏇🏄🏋⛹🏅🏆🏐🏓🏸🎯
Parabéns!!!!!!!!!!!!! Isso é vergonhoso!!!!

Segue a matéria:
Dentre a população brasileira de zero a 14 anos, 40,2% se encontra em situação de pobreza. O percentual corresponde a mais de 17,3 milhões de jovens pobres no Brasil. É o que aponta um levantamento da Fundação Abrinq, divulgado nesta terça (25), que compara a situação da infância no Brasil com as metas assumidas pelo país nos ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) da ONU (Organização das Nações Unidas).

Segundo o relatório, que tem como base os dados de 2015, as regiões Norte e Nordeste concentram os maiores índices de crianças e adolescentes em situação de pobreza, com 54% e 60,6% de jovens nessa condição, respectivamente. Percentuais menores aparecem nas regiões Sudeste (27,8%), Centro-Oeste (28,4%) e Sul (23,1%). São consideradas pobres as famílias com renda de até meio salário mínimo per capita, ou seja, de no máximo R$ 394 por pessoa (utilizando como referência o salário mínimo em 2015, de R$ 788).


Em números absolutos, no entanto, a região Sudeste tem mais de 4,5 milhões de crianças e adolescentes vivendo em condição de pobreza familiar --no Nordeste, são cerca de 8 milhões e, no Norte, pouco mais de 2,5 milhões.

O estudo tem como base os números mais recentes do Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) 2015, realizado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O levantamento busca auxiliar o monitoramento das ODS 1, 2, 3 e 5, que têm como objetivos erradicar a pobreza e a fome, assegurar boa saúde e bem-estar e alcançar a igualdade de gênero.
Desempenho por Estados

Os cinco Estados com maior percentual de crianças e jovens pobres estão na região Nordeste: Alagoas (66%), Maranhão (62,4%), Ceará (61%), Bahia (60,8%) e Pernambuco (60,5%).

Já os cinco com menor percentual são o Rio Grande do Sul (24,9%), Paraná (24,5%), São Paulo (21,2%), Distrito Federal (20,2%) e Santa Catarina (17,7%).

O relatório aponta, no entanto, que há diferenças importantes entre o tamanho populacional dos Estados.

"Se observarmos o Estado de Santa Catarina veremos que ele apresenta a menor proporção da população entre zero e 14 anos residente em domicílios pobres (17,7%). Porém, em números absolutos, isso corresponde a 219 mil de 1,23 milhão de habitantes menores de 14 anos, esta última, a mesma quantidade de crianças pobres do Estado do Maranhão", destaca o texto.
Norte e Nordeste concentram jovens em pobreza extrema

Em todo o Brasil, 13,5% dos menores de 14 anos se encontram em situação de pobreza extrema, ou seja, em famílias com renda de até um quarto do salário mínimo per capita.

Os maiores percentuais dessa condição também estão nas regiões Norte (19,7%) e Nordeste (26,3%). A diferença dessas em relação às demais regiões do país é grande: mesmo somados, os índices de jovens em pobreza extrema nas regiões Sudeste (5,99%), Sul (5,2%) e Centro-Oeste (5%) não chegam ao valor encontrado para o Norte ou para o Nordeste.

Entre os Estados brasileiros, o Maranhão é o que registra o maior percentual de crianças menores de 14 anos de idade na condição de pobreza domiciliar extrema (35,2%). Em seguida, aparecem o Ceará (28,6%), Alagoas (28,3%), Bahia (24,7%) e Pará (23,9%).

Fonte: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2017/07/25/mais-de-40-dos-jovens-de-ate-14-anos-estao-em-situacao-de-pobreza-mostra-estudo.htm

Justin Bieber suspende shows para se reaproximar de Cristo

Eu tive uma MINHA VIDA DE FARRA, com grandes vazios e loucuras, mas deixei JESUS CRISTO entrar na minha vida e limpar a SUJEIRA. Assim, é possível a MUDAR.
Não acompanho a vida deste cantor, mas LOUVO a Deus se realmente ele estiver buscando uma MUDANÇA DE VIDA.

Segue a matéria:
A decisão de Justin Bieber de interromper a turnê "Purpose World Tour" antes da hora pode ter motivos religiosos. É o que afirma o site TMZ, especializado em cobrir a vida das celebridades americanas. De acordo com o portal, Bieber decidiu fazer a pausa para "rededicar sua vida a Cristo" e a decisão irritou grande parte de sua equipe.

Segundo o TMZ, Justin teria alegado que precisava de descanso da rotina exaustiva da turnê. De acordo com o site, funcionários da equipe do cantor não aceitaram a desculpa, já que recentemente ele passou um tempo de férias, se divertindo e descansando em Laguna Beach.

Ainda de acordo com o TMZ, parte do staff estaria irritada pois o cancelamento repentino da tour significaria um prejuízo financeiro grande para os funcionários. Ao todo, 200 empregados do cantor seriam prejudicados, segundo o portal.

No texto publicado nesta segunda-feira (24), Bieber não deu muitos detalhes do motivo da pausa. O TMZ afirma que o cantor está buscando se reaproximar da religião e a parada teria sido recomendada para que ele pudesse se dedicar mais à parte espiritual.

Fonte: http://multishow.globo.com/musica/materias/justin-bieber-cancelou-carreira-para-se-rededicar-cristo-diz-site-decisao-teria-irritado-funcionarios-do-cantor.htm?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_campaign=TRENDS_NM&utm_content=Link

17/07/2017

Cortes de ORÇAMENTO fazem CIÊNCIA BRASILEIRA entrar em DECADÊNCIA!



Reportagem exibida no Fantástico em 16/07/2017.

Esse é o país da Copa 2014 e das Olimpíadas 2016.

Vergonhoso todo esse descaso e falta de gerência! Dinheiro pra corrupção tem.

Precisamos agir mais e não aceitar o atraso do Brasil.

07/07/2017

Bebê terá documento sem identificação de sexo para 'decidir gênero quando crescer'

Ah, tá, que maravilha hein??? Deixa eu ver se entendi:
Quer dizer que o bebê que nasce com pênis não é macho e a bebê que nasce com vagina não é fêmea? Ah, entendi!
Sabe, do ponto de vista social isso é uma IRRESPONSABILIDADE (pra não dizer insanidade) e do ponto de vista espiritual isso é DIABÓLICO!
Ora, registre-se o que é, se ao se tornar adulto e dono de suas escolhas quiser pensar e viver diferente aí é uma opção da pessoa.
NÃO perturbem e NÃO corrompam as CRIANÇAS!!

DA BBC BRASIL
04/07/2017 21h10

Um bebê canadense de oito meses é provavelmente o primeiro caso no mundo de um recém-nascido com um documento oficial em que seu gênero não é identificado.

O cartão de saúde da criança, batizada como Searyl Atli, foi emitido pelo governo da Província de Colúmbia Britânica com a letra "U" no espaço reservado para "sexo", o que pode ser interpretado em inglês como undetermined (indeterminado) ou unassigned (não atribuído).

Esse fato –que parece ser inédito no mundo, segundo a imprensa canadense– era uma demanda de Kori Doty, que é pai/mãe de Searyl.

Kori é transgênero, se identifica como uma pessoa "não binária" –classificação usada por pessoas que não se consideram homem ou mulher– e deseja que o filho descubra por conta própria seu gênero quando for mais velho.

Kori tenta omitir o gênero da criança também da certidão de nascimento. Isso é negado pelas autoridades até o momento. Atualmente, as certidões de nascimento de Colúmbia Britânica só permitem que sejam designados os gêneros "masculino" e "feminino".

Por isso, Kori move uma ação contra a Agência de Estatísticas Vitais Colúmbia Britânica, órgão responsável pela emissão de registros civis. Em meio a essa disputa, no entanto, o cartão de saúde da criança foi enviado no mês passado pelo governo da Província sem a identificação de gênero.

A advogada da família, barbara findlay, que prefere escrever seu nome sem maiúsculas, disse ao site Global News que "a designação de gênero nesta cultura é feita quando um(a) médico(a) abre as pernas e olha para os genitais de um bebê". "Mas nós sabemos que a identidade de gênero do bebê só será desenvolvida alguns anos após o nascimento."

INSPEÇÃO VISUAL

Searyl nasceu em novembro passado na casa de um amigo de Kori, justamente para a criança não ter seu gênero determinado por um médico após o parto.

Kori argumenta que essa inspeção visual na hora do nascimento não é capaz de determinar o gênero de alguém e que uma pessoa não necessariamente se identificará ao longo da vida com o gênero que foi atribuído a ela neste momento - como foi o seu caso, que era considerada uma mulher.

"Quando nasci, médicos olharam para meus genitais e fizeram suposições sobre quem eu seria, e essas suposições me perseguiram ao longo da vida. Essas suposições estavam erradas, e eu acabei tendo que fazer vários ajustes desde então. Não quero fazer o mesmo agora."

Kori se refere à criança por they, pronome em inglês para se referir a pessoas e objetos no plural e que não tem gênero - pode ser traduzido tanto como "eles" ou "elas" em português.

"Estou criando Searyl de modo que até que tenha senso de si e capacidade de vocabulário para me dizer quem é, tento dar todo o amor e apoio para que seja a pessoa mais inteira que puder fora das restrições que vêm com o rótulo menino ou o rótulo menina", disse à rede de TV CBC News.

Kori trabalha com educação comunitária e integra a Coalizão de Identidade sem Gênero, ONG que defende que a categoria "sexo" seja retirada de todos o documentos oficiais dos cidadãos. Argumenta que quem não se identifica com o gênero oficial enfrenta vários problemas ao tentar mudar seus documentos mais tarde na vida.

Kori é uma das oito pessoas envolvidas em uma ação levada ao Tribunal de Direitos Humanos de Colúmbia Britânica que pede a omissão do gênero em documentos emitidos em todo o Canadá.

DEBATE

Atualmente, o tema já é alvo de debate em outras Províncias do país, como Ontário e Alberta, onde estão sendo revistas políticas para incluir uma terceira possibilidade, uma opção de gênero não binário, em documentos oficiais.

Kori não considera a criação de uma terceira opção a solução ideal, mas avalia como uma saída viável para o problema.

Segundo a advogada findlay, um argumento recorrente contra a omissão do gênero em documentos é que isso é necessário para gerar estatísticas sobre a população. Ela diz que a omissão não implica que esse dados não serão coletados, mas sim que isso será feito anonimamente e sem ligação com a identidade de uma pessoa.

"Nossa cultura é obcecada em saber se (um bebê) é menino ou menina, mas não cabe ao governo certificar essa informação sem saber se isso é verdade", disse findlay.

Fonte: http://m.folha.uol.com.br/mundo/2017/07/1898401-bebe-tera-documento-sem-identificacao-de-sexo-para-decidir-genero-quando-crescer.shtml